Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Javon: ''Quando [Michael] estava em Neverland, tinha dezenas de pessoas trabalhando para ele. Agora, exceto pela professora e a Sra. Grace, todo o trabalho doméstico recaiu basicamente para Bill e eu.

Nós éramos seus assistentes pessoais, correios, trabalhadores. Fazíamos as compras de supermercado, levávamos o cão ao veterinário, cuidávamos das crianças. Inclusive Bill e eu nos encarregávamos dos cartões de seguro de família e seus passaportes.

Eu tinha sido contratado para ser um ''soldado'', sabe? Dirigir o carro, a porta e ir para casa. Mas isso era outra coisa. Não tínhamos ideia de que o que nós mesmos tínhamos conseguido era um eufemismo. Havia dias em que eu caminhava por aí, pensando, como diabos iria acabar aqui?''

Bill: ''Quando se foram Feldman e Grace, senti um enorme senso de responsabilidade adicional. Alguns dias, eu realmente não podia acreditar que estávamos apenas Michael Jackson e eu, basicamente, eu tinha me convertido em seu braço direito.

Tudo começou a vir até mim. Eu estava recebendo documentos, faxes, e-mails. Alguém tinha que recolher esses documentos para ele. Michael Jackson não ia exatamente até a porta para assinar as entregas.

Eu nunca abri seu e-mail, mas foi enviado para mim por fax um monte de informações, o que eu pude ver claro como o dia.

Havia um monte de números flutuando. Um monte de números. Estou falando de 35 milhões de dólares aqui, 100 milhões de dólares lá. Eu vi a palavra "bilhão" em um desses documentos.

Sempre que a folha de pagamento atrasava, Raymone nos dava aquelas desculpas vagas. O dinheiro de "Sr. Jackson está vinculado." Agora, eu estava em uma posição em que eu estava começando a ver as coisas. Eu sabia que eram apenas um par de peças no quebra-cabeça, mas estava começando a dar uma olhada no maior de suas finanças.

No mês de junho, os primeiros iPhones chegaram ao mercado. Ele queria um. Javon foi e levou duas horas para obtê-lo. A primeira vez que levei para ele o telefone, ele o trouxe de volta para mim e me disse que não funcionava.

Ele disse, "Não faz nada."

Eu disse, "Senhor, eu creio que é preciso criar uma conta."

Ele disse, "Eu pensei que já tivesse feito."

"Não, senhor."

"Oh... Poderia fazer?"

Eu tinha todas as suas informações pessoais, então eu disse que sim. Eu tentei primeiro registrar em seu nome, mas depois de pesquisar o número de Michael Jackson no Seguro Social, a AT & T queria um depósito de US $ 1.500. Só para ativar um telefone celular. Fui em frente e registrei a conta em meu nome.

Logo ele queria um iPhone para a sua mãe, porque assim ele poderia enviar fotos das crianças para ela. Eu configurei o telefone para sua mãe em meu nome também.

Ele gastava prodigamente. As viagens à FAO Schwarz e as compras em livrarias. Os tabloides sempre focavam nas coisas, como se comprar brinquedos levasse você à falência.

Mas para ser honesto, o dinheiro que ele gastava nessas viagens ou compras não era nada. Eram cinco e dez centavos em comparação com os números que eu estava vendo nesses documentos.

Havia um monte de dinheiro mudando de mãos o tempo todo. Ações judiciais, credores, empréstimos bancários, taxas. Milhões de dólares entravam e saíam.''

[...]

Bill: ''Eu escutei Raymone e Greg Cruz discutindo no viva-voz com Sr. Jackson sobre negócios. Muitas vezes me chamavam e mantinham o viva-voz com o Sr. Jackson no banco de trás. Ele só colocava ao ouvido se a conversa retornava, se a informação era delicada.

Nesta conversa que eu pude ouvir, Raymone estava tentando tomar um empréstimo com tal banco e Greg Cruz queria um diferente. Cada um deles estava devidamente fundamentado. Então tornou-se uma competição de gritos.

Este não foi o início do desacordo entre Raymone e Greg nas questões do Sr. Jackson. Isso é o que estava acontecendo quando eu cheguei lá. Ambos estavam sempre em desacordo.

Ao final daquele mês de junho, se encontravam na casa e pediram para estabelecer uma conferência para os três. Arrumei a chamada no meu celular, eu coloquei Raymone e Greg na linha, eles estavam esperando, e logo se foram para a parte de trás da casa onde Sr. Jackson estava esperando a chamada. Bati na porta de vidro da área da cozinha.

Ele estava sentado no balcão onde tomavam o café da manhã, aquela enorme bancada de mármore onde quinze pessoas poderiam se sentar. Entreguei-lhe o telefone e fui para o trailer de segurança.

Meia hora mais tarde, me inteirei do acidente. Vidro quebrado, a prata. Alto. Saltei da cama e correu para o canto da cozinha e vi Sr. Jackson. Ele se sentou na mesma cadeira de antes e a porta de vidro se rompeu em um milhão de pedaços por todo o chão.

Meu telefone estava deitado no centro de tudo, destruído. Perguntei se estava tudo ok. Ele calmamente olhou para mim com aquela expressão vazia no rosto.

Então, ele olhou para debaixo no vidro e em um tipo de suspiro, disse: "Me desculpe, Bill. Vai precisar de um novo telefone."

Eu perguntei se ele estava bem. Na verdade, ele não me respondeu. Ele enterrou a cabeça entre as mãos em desespero. "São todos uns demônios", disse ele. "Eu deveria ligar para o meu pai e dizer-lhe para vir chutar o traseiro deles."

Eu lhe disse que teria que limpar. Que já teríamos instalada uma nova porta em um par de dias mais tarde e que era praticamente tudo. Eles não discutiram novamente. Isso foi pouco antes de irmos para Virginia.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...